fbpx
Start typing and press
Enter to search

Balanço SPFW: Dia 03

O terceiro dia de desfiles no São Paulo Fashion Week foi marcado por temáticas variadas. Multiculturalismo, tropicalismo, intolerância e referências retrô foram inspirações exploradas na passarela. Durante o dia, Reinaldo Lourenço, PatBo, Amir Slama e Ronaldo Fraga compuseram o line up, juntamente aos estreantes ALUF e Lucas Leão, do Projeto Estufa. Saiba mais!


PatBo

Reinaldo Lourenço

Intitulada Road of Love (RL), a coleção de inverno 2019 de Reinaldo Lourenço reuniu referências de três décadas: 1960, 1970 e 1990, tendo como ponto de partida o filme “A Garota da Motocicleta” (1968), protagonizado por Marianne Faithfull. Com um visual jovem, o couro foi uma das matérias-primas mais exploradas, valorizando conjuntos, vestidos e calças ajustadas. Nessas peças, destaque para a esportividade trabalhada através dos recortes contrastantes e aplicações de zíperes pontuando bolsos, fechamentos e fendas. Apostas mais fluídas, principalmente vestidos e saias, foram valorizados por tonalidades vibrantes ou estampas multicolors. Como complementos, atente para luvas de couro e botas de canos variados, podendo trazer prints clássicos como decoração.

ALUF (Projeto Estufa)

Criada em 2016 por Ana Luisa Fernandes, a ALUF é caracterizada pela sustentabilidade e o objetivo de transformar a roupa em um objeto vestível. Em sua estreia no SPFW por meio do Projeto Estufa, a brand trouxe como foco a mescla entre moda, arte e psicologia, baseando-se no processo de arte terapia da psiquiatra brasileiras Nise da Silveira. Nas peças, modelagens chamaram a atenção pelos volumes pontuais, principalmente nas mangas e próximo ao busto. Os cortes de alfaiataria foram ressaltados pelas apostas em materiais ecológicos e renováveis utilizados pela estilista, trazendo um visual natural para a coleção. Atente ainda para a cartela de cores sucinta, focando no branco, amarelo e dourado. Bolsas de crochê e calçados clássicos, como scarpins finalizaram a coleção. 

Lucas Leão (Projeto Estufa)

Também fruto dessa edição do Projeto Estufa, Lucas Leão é um nome conhecido na moda brasileira por seu pensamento questionador, muitas vezes buscando a quebra de barreiras de comportamentos padronizados. Em seu currículo, já vestiu nomes como Pablo Vittar e Iza, e em sua primeira coleção no SPFW trabalhou o foco nas superfícies. Sem diferenciar gêneros, a coleção trouxe peças como conjuntos e vestidos de cortes retos. Nas superfícies, atente para as assimetrias, ressaltadas tanto nos recortes quanto nas texturas, localizadas em pontos específicos dos produtos. De forma detalhada, franzidos, drapeados e misturas de materiais despontaram em diversos looks, bem como as estampas artísticas e irregulares.

PatBo

O verão 2019 da PatBo foi marcado como o primeiro desfile da marca explorando o segmento beachwear. Inspirado pela pluralidade de nosso país, a coleção foi pontuada por uma feminilidade mais tradicional, contando com materiais leves, como sarjas, acetinados, crepes e tules, e elementos decorativos como babados e mangas bufantes. Na modelagem, a cintura marcada foi uma constante, bem como os decotes em V, trazendo uma maior sensualidade para as produções. A brasilidade também foi reforçada através dos bordados em linha e pedra, bem como nas estampas com motivos como florais amplos, folhas e animais tropicais. Atente ainda para a cartela de cores variada e vibrante, evidenciando tons de rosa, verde e azul, em contraste com crus, como o bege e o off-white.

Amir Slama

Mesclando looks femininos e masculinos, o imaginário tropical também foi o start para o verão do estilista Amir Slama. Com um viés mais irreverente, a coleção trouxe como foco a Tropicália dos anos 1970, influenciada pelo rock de Jimmy Hendrix. Para os homens, a camisaria, as calças ajustadas, os shorts e as sungas foram peças-chave, enquanto para elas, os tops cropped, os vestidos e os maiôs surgiram com importância. Independente do gênero, a estamparia veio como protagonista, trazendo além da fauna e da flora, as frutas como um revival de antigas coleções, valorizando ainda mais as referências tropicais. Fendas, recortes e decotes proeminentes foram responsáveis por trazer mais sensualidade para as propostas, juntamente as transparências sutis. 

Ronaldo Fraga

Com o título A Colina da Primavera, o desfile de Ronaldo Fraga nasceu com o pensamento nos diversos conflitos com que lidamos atualmente. O conceito do estilista surge então como um exemplo de conciliação entre pessoas, povos, crenças e modos de pensar. Tendo uma mesa farta na passarela, os modelos, ao final do desfile, convidaram o público a se sentar e partilhar uma refeição. Em sua proposta de vestuário, 90% da coleção foi formada por denim em lavagens básicas. Os bordados foram as principais formas de ornamentação, desenvolvidos em parceria com as Bordadeiras de Barra Longa, com a qual o estilista já trabalha a algumas temporadas. Nas silhuetas, a fluidez e os cortes soltos ao corpo reforçaram conforto, seja nos macacões, nas blusas ou nos maxi vestidos. Nos pés, tênis foram predominantes, enquanto para os acessórios, óculos com lentes redondas e colares artesanais complementaram a coleção. 

Imagens: Agência Fotosite.

Deixe uma resposta