Balanço SPFW: Dia 06

O último dia do SPFW encerrou com oito desfiles, sendo três pertencentes ao Projeto Estufa: Lucas Leão, Korshi e LED. O projeto Ponto Firme também integrou o line up, trazendo uma coleção criada por reeducandos do sistema penitenciário. Além desse, o evento contou com o retorno da Cavalera às passarelas, com Flavia Aranha, PIET e com a Ocksa. Confira os destaques de cada uma delas!

Projeto Estufa: Lucas Leão

Em seu segundo desfile no SPFW, o estilista traz para a passarela o conceito da dissolução da subjetividade em regimes ditatoriais. A estética aborda o derretimento, olhando para o processo do vulcanismo e as rochas Ígneas, visto principalmente através da estamparia. Sem distinção de gêneros, a coleção traz casacos alongados, camisas e calças com cortes de alfaiataria, porém bastante relaxados.

Projeto Estufa: Korshi

Também trabalhando com uma moda sem gênero, a Korshi apresentou uma coleção utilitária e mutável, com peças que se transformam, como a calça que vira saia e o casaco que tem seis opções de uso. A estética foi reforçada pelo uso de materiais resistentes, como sarjas e nylon, e por detalhes como ajustes elásticos, zíperes e bolsos amplos.

Projeto Estufa: LED

A marca mineira que traz o tricô como um dos protagonistas, desfilou uma coleção madura, com peças como vestidos, camisetas e jaquetas. O tema Zangada, segundo o estilista Celio Dias, é pra representar o estado de espírito da comunidade LGBT nos dias atuais. Vale citar a colaboração da artista Thereza Nardelli, autora a obra Ninguém solta a mão de ninguém, que fez todas as ilustrações, pinturas à mão e estampas corridas da coleção.

Ocksa

A marca de Igor Crivellaro estreou no SPFW com uma coleção moderna, urbana, inspirada na poesia e diversidade das ruas de diversos países, como Espanha (o estilista mora em Barcelona) e Brasil. O styling foi o destaque do desfile, que contou com diversas composições e sobreposições, criando um visual rico em misturas de texturas. Atente para as modelagens amplas, as as assimetrias , as desconstruções e acabamentos desfiados, vistos em um mix de peças casuais e de alfaiataria.

Flávia Aranha

A moda sustentável de Flávia Aranha nessa temporada foi trabalhada dentro de um viés minimalista e tropical ao mesmo tempo. A cartela de cores foi o ponto alto, em um degradê de rosados e alaranjados em superfícies tingidas naturalmente e, por vezes, com estampas com efeitos manchados. Tecidos como organzas e linhos foram explorados em peças fluidas e com movimento, como blusas, vestidos, calças e casacos.

PIET

Para essa edição do SPFW, a Piet apresentou uma coleção com um direcionamento clean e ao mesmo tempo utilitário, porém, o sportswear também é notado entre as referências. A modelagens amplas são predominantes, com cortes retos e resultando em uma silhueta mais quadrada. Atente para o uso da alfaiataria, em peças como camisas, calças e conjuntos, e para as malhas encorpadas e os metalizados, em T-shirts, hoodies e blusas ajustadas. Zíperes, bolsos amplos e tiras de gorgurão ajustáveis complementam as peças.

Ponto Firme

O Projeto Ponto Firme, liderado pelo estilista Gustavo Silvestre, traz peças de crochê desenvolvidas por detentos da Penitenciária Desembargador Adriano Marrey, em Guarulhos (SP) e também por cinco que agora estão em liberade. Com o tema “Oportunidade”, o visual handmade das peças foi valorizado através de pontos mais abertos e caídos, bem como dos efeitos franjados. Peças ajustadas e transpassadas, com visual bastante feminino, dividiram espaço com outras mais amplas e pesadas. Destaque para as peças em denim, doadas pela Levi’s e que trouxeram o crochê nos acabamentos.

Cavalera

Após três anos de desfiles solo, a Cavalera volta ao SPFW mostrando que a sua essência streetwear continua a mesma. A coleção ““Quem somo nós na fila do pão?” é uma crítica a superioridade vista nas pessoas que vivem nas redes socias. Referências cluber, grunge e esportivas foram misturadas para criar um mix repleto de peças comercias como suéteres, hoodies, calças jeans e tops esportivos. Vale notar o uso de tendências atuais, como o neon, e de estampas como o xadrez e o print de vaca.

Imagens: Zé Takahashi / Ag. Fotosite